Por que ir?

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 20:12

1

se você se torna o mesmo de antes?
o foco muda, o vocabulário
a mente brilhante brilha
e chama atenção

a chama queima à fogueira
palha por todo canto aquece um novo coração
que volta ao ciclo vicioso, ao credo tedioso
mesmisse em inspiração

ocupa os dias noites, e finais
reuniões comunitárias tais quais funerais
o foco está diante do espelho
tapa a visão com uma espécie de "conselho"

numa mistura bem legal e musical
tudo tão alto que parece bem normal
os gritos, choros, tiros ou sorrisos
sozinhos vivem não sendo ouvidos

Por que meu nome está num quadro ali?
se a cada dia me afasto aqui
esse é ao caminho para o criador?
ou é a sala daquele senhor?

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 20:04

0

é dificil entender que acaba
o dia se torna noite
o sonho se torna vida
a vida se torna nada

uma família por brigas se acaba
uma pessoa, por tristeza se apaga
um vestido mal costurado rasga
aquele que ama, amava

se eles eram amigos por que separar
o jogo de conflitos que os faz segurar
o teto sobre a casa que está a desabar
tão iguais, invisíveis, tão normais e sensíveis
no jogo que querem jogar

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:39

0

ontem me deparei com alguém que eu conhecia
ontem olhei pro mar, senti a água a me molhar
ontem eu corri pra alcançar meu alvo
ontem me deparei, ontem eu deixei, ontem eu menti
ontem não vivi...

ontem eu liguei a minha tv, no jornal
ontem eu passei pensando em tudo que vai mal
ontem me assustei com tanta religiosidade
ontem eu chorei ao ver o amor morrer de verdade

eu me arrisquei
sonhando com o futuro
eu me dediquei, incerto e inseguro
eu devolvi minha certeza para o sonho preparado
eu senti que dói, perder o ontem, lembrar o passado

Ontem o calor que eu senti era demais
ontem eu ouvi a briga eterna que vinha dos meus pais
ontem fui criança, jovem e velho quando eu sorri
ontem nadei em minhas lágrimas, voei em meu canto,e de novo eu menti

Ontem a música era cantada por uma pessoa qualquer
ontem aquela poesia que alguém escrevia era lida com mais fé
ontem a intimidade me era presente, tudo tão simples
ontem eu vivia o ontem sem mais pensar no dia seguinte

rs

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 13:25

1

Amor você me espera
chego lá pelas seis
não tenho nada, estou com pressa
só quero você outra vez

Estou sentado
na janela do segundo andar
um quarto alto, tal passos largos
onde me acostumei a caminhar

Pensando tanto em coisas minhas
ouvindo o som do nada ali afora a ecoar
foi um relâmpago? Porque foi tão rápido
passou e nem tive ao menos um tempo de sonhar

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 12:48

0

...e alguns corvos chegaram
enquanto estávamos de olhos fechados
sobraram desculpas, e culpa
estamos de sentidos atados

Será esse o fim?
da misericórdia à discórdia
quem limpará o banheiro
dos ataques de corvos e cobras?

Aqui está pra você o plano
os corvos rondam,
seguiremos tudo para o ano
os corvos sondam

está tudo atrasado,
e poderíamos começar logo
não esperamos pra fechar os olhos
deixem os corvos virem, deixem eles sentirem...

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 07:54

0

Você se veste de branco, em pé ao discursar
Você se torna sensível, procura o que falar
Seu pé já não lhe cabe, sua mão não rege mais
Aposto que cansada, ela deixou pra trás...

Tudo o quanto zela, fez-se solidão
Tudo por que se entrega, tornou-se só paixão
E grande pensamentos, deixados com você
Já não enxerga mais, a situação de ser...

Mais um, em tantos mil, lutando contra o mal
Sentindo a sequidão, a falta de compaixão
Tudo que se fez, desfez e sentiu
Hoje voltou ao pó, e só o vento o reuniu

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 14:47

2

Todo o bem que vi
São tantas as lendas que li
São margens de passos que dei
DESânimos de coisas que sei

Deixarei eu na melhor parte?
Sera toda tragédia uma obra de arte?
Ou será que somos fora de hora
Estamos atrasados, e ficamos do lado de fora?

Será que essa angustia não passa?
Consumindo todos meus batimentos
Será que só existirá impossivel em tudo que eu faça?
Que transformam sorrisos em lamentos...

lamento por estar assim
por essa tristesa que não tem fim

Sonho em Sonhos

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 19:09

0

Construo em mim sonhos de sonhos
Grandes pequenos castelos cheios
De sonhos de sonhos da vida alheios

Construo cada passo dos sonhos caídos
Desconstruídos por nada, aqui escondidos
De verdade bem contadas, explicitadas

Egoístas, olhares mistos
Músicos e registros, poemas e canções
Sonhos queridos mostram os lados, vidas e emoções

Sonhos que me ganham, sentindo que me perdem
Construindo em mim sonho de sonhos
Sonhos da vida que me levem!

Sonhos que eu perco, sentindo que encontro
a vida toda sentida em um ponto
de partida, seguida, doada, sentida
A vida eternamente vivida como os sonhos de um conto!

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 19:58

1

Não se julgue, nunca, pelo fato de ser. Deixe que aqueles que te cercam deixem isso transparecer...




Sei que nem tudo eu sei
Que nem tudo sonhei
Que em tudo, não fiz o amor

É tão difícil explicar
O desejo de ver
Construir o amar, em você

Não, eu não quero deixar
De tentar arrumar
A mudança do nosso bem viver

E pelo lado de cá
Sou aquele que diz
Mas que um eterno aprendiz

E aprendendo você
Passo a perceber
As nuances do amor que se lê

Versos de poemas ao ar
Melodias criar
Ritmos brasileiros, pra te amar

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 19:53

0

É tudo tão natural quanto eu não sei dizer, que prefiro calar-me de uma vez, ao insistir em te ver .





Poeta de chuva
Que vem de tão longe
Que cai de tão alto
Poeta que sente
Poeta gelado,
Poeta calado

Sois tão rápido
Atemporal, divido
Tendes sede, de chuva que seque
As lágrimas que descem
Dos seus próprios olhos

És apenas um poeta
Não esperes mais do que isso
Poeta sem direção, sob o alerta
De um temporal que vem surgindo

hum...

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 15:40

0

A angustiante luta por continuar respirando o ar triste que me consome, desgasta todo o resto que chamo de vida. O peso de cada movimento no ar, de cada pensamento, torna a atmosfera da minha visão tão turva quanto inabitável. Não quero ouvir as vozes que certamente ouvirei. Tampouco ser aquilo que certamente me tornarei. Eu, de certo forma desisto sem saber o porquê. Não sei, onde está a alegria?! FELICIDADE ONDE ESTÁS?

você e eu..

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 19:42

1

Antes você era mais desperto.
Não se emocionava, mas chorava; não sorria, mas se alegrava.
Era tão pequeno. Tão único nas suas atitudes.
Antes, antes de tudo você era só você
Não havia influências.
O seu caráter, a sua inocência. Forjados e formados em turbulências terríveis.
Sua pequinês registrou sons e imagens que nunca esquecerá.
Captou sentidos, músicas e cores. Degustou aromas e sabores.
Mas passou tudo tão depressa, e você deixou de ser seu próprio futuro.
As tempestuosas situações lhe trouxeram tudo de inseguro, numa vida perfeita.
E a vida perfeita mostrou-se apenas como uma vida. Desfeita.
Você foi mudando, deixando que sua mente amadurecesse, seu sentido crescesse.
Na ausência de imposições, impôs-se a si, autoconstruindo seu senso crítico.
Você foi diversificando as opiniões, os gestos e conclusões. Você cresceu.
Mudaram os sonhos, deixou os planos. Perdeu o caminho.
Hoje você sou eu.

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 15:27

2

É, eu estou
Esperando pelo dia a ver
Retornando de te conhecer
Volta e meia de nosso bem viver

É, hoje eu sou
No mesmo andar que me construí
o meu pedaço que não dividi
dado ao ponto de te sentir

É, você me disse que não ia dizer
Dos modos e defeitos que eu perceber
Você me disse que não há sossego

É, nos encontramos linha a linha só para falar
Medos tantos que eu não pude enxergar
A boa parte que eu teria ao te encontrar

É, e o que poderiamos nos tornar?
Por qual ótico vamos nos ver?
Em qual lado vamos nos encostar?
De que perfil deixaremos acontecer?


R.S Rosa

Gramática

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 16:08

3

Não me tenho jeito
Estou sujeito às minhas alterações
Aos meus adjetivos e bordões
Preindicado por acusações
Sou assim. Um sujeito ocultado.
Escondido bem ao lado
Daquilo que indica o meu modo, meu tempo e minhas ações.
É. Não farei mais ligação
Me reservo no direito de não me fazer alteração.
Não sou solitário, não vivo numa posição
Sou preposicionado como alguém dedicado
Em uma carapaça de educado.
E eu a posto, da forma que lhe convir, que vivo o oposto,
O oposto daquilo que você quer ouvir.
Pro nome que dei a tudo isso,
Esse que sinto , que vivo e digo,
Pra ele dou a honra de me nomear.
Mas como indicar o que sinto?
Nomes não me preenchem,
Não dizem o que eles mesmos sentem.
Eles mentem. Intransitivamente.
Insisto? Não me tenho, sou apenas um sujeito
Acompanhado de meu único predicado:
Eu desisto.

R.S Rosa

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 15:15

4

Não vou tocar por tocar
Me recuso a ser diferente
De olhar displicente
De estar descontente
Eu me recuso a ser por ser
Me recuso a não querer
Eu me declino daquilo que sobra
Me refaço em meus feitos
Vivo a cada minuto por horas
Transformo tormentos em conceitos
E é aqui que escondo meu discurso
Minha paráfrase, meu curso
A direção que sigo
Que tento, não consigo.
Sou eu quem me descrevo paradoxalmente
Sou eu quem sente saudade de mim
Que vejo meus olhos no espelho
Que me sustento em meus próprios conselhos
Sou eu, aqui, quem se recusa em se convencer
Que se recusa em não viver por viver
Sou eu que, não conseguindo, consegue
Não percebendo, percebe.
Sou eu quem quer ser aquele vive
E existe.

R.S Rosa

Balançar da terra

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 10:07

3

Segure-se que a terra balança
o povo grita daqui
a mãe chora de lá
o filho se cala para sempre
e todos, todos falam por falar

Segure onde puder, estamos tremendo
nossa casa esta caindo
nosso dinheiro desaparecendo
nosso chão sucumbindo
nossas festas animadas
nossas ruas alargadas
nossos carros sendo pagos
nossa felicidade contada.

Segure onde der, onde quiser
nosso dever está cumprido
nosso coração divido
nossa permissão caçada
nossa alma armada
nossa pretensão desnorteada

Segure porque o povo grita
o povo se irrita, o povo irrita
o povo ama, mata e imita
O povo cai, levanta e dança
Segure-se que a terra balança

R.S Rosa

Por favor...

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 09:23

2

Papel e caneta, eu vou escrever
hoje acordei meio poeta, meio clichê
vou falar que amo, falar que desamo
vou chorar, me alegrar e pensar em você

Um lenço por favor, estou chorando
são tantas as tragédias, me sinto desumano
a tv da minha sala é tão pequena pra enxergar
preciso de uma maior pra mais tragédias englobar

Guarde suas moedas, eles não a merecem
vivem nas ruas e com sua aparência a empobrecem
não sustente seus vícios nem sua pobreza
são assim porque querem, por falta de gentileza

E não seja gentil, por favor
não me obrigue a guardar rancor
porque eu não faço por querer, sou obrigado faze-lo
conviver por conviver, é melhor esquece-lo


R.S Rosa

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 14:37

4

Um vento
Num quarto
Fechado
Ao lado
De um quarto
Vazio
Fechado
Frio, o vento
No ar
Ao lado
Vazio
Num quarto
Vazio
Fechado

R.S.Rosa

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 14:37

3

Não disse-me
Não olhei-me
Não quis-me
Não sou-me
Nem posso-te
Nem vou-te
Nem sonho-te
Nem ti...


R.S Rosa

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 12:22

3

Auto estima é um dom
Mal distribuído pela gente
Uns a amam e até idolatram,
Outros a pisam e a maltratam
A auto estima é eficaz.
Traz consigo uma guerra pela paz.
Um desejo por mais.
A auto estima não existe
É uma escolha daqueles que o sabem
Ideal de quem persiste.
A auto estima não me quer
Se afasta, tão pequena,
Ela é todo meu problema.

R.S Rosa

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 12:06

1

A Inconstância me domina
Muito gentil, lhe tenho estima
Somos amigos tão chegados
Como irmãos bem relacionados
Somos nós, ela e eu
Dedicamo-nos a mim,
Dessa forma sou seu
A não constância de dizer
Digo que sou, e não quero ser
Digo que vou, e não quero ir
Inconstante lhe sinto
Mas não quero sentir.
A inconstância me domina
Muito gentil eu lhe tenho estima.

R.S Rosa

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 14:35

0

Eu só queria falar de mim
Difícil existir
Ninguém por aqui
Falar só de si
Nunca cair
Nada a sentir...
Eu só queria falar de mim
O medo não ter
De não compreender
Ser você
Ou simplesmente não ser
Amanhecer e viver...
Eu só queria falar...
Sonhar.

R.S Rosa

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 18:13

1

Sempre me quis perfeito
Buscando alguma singela aceitação
Por isso, me afastei de meu reflexo ao espelho
Me mantive recluso em meu coração
Apertei contra o peito a esperança
Reagi sem nenhuma emoção
Deixei com o espelho a lembrança
Do sonho, de minha ilusão

R.S Rosa

Sorrisos

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 13:30

2

Sorrisos espontâneos me cercam
De vida, sorriso que alertam
A vida, os erros que mostram
Em vida, os sorrisos me cercam
Sorrisos me inundam a alma
Sorrisos me cercam de calma
Sorrisos me abandonam
Sorrisos comigo choram.
Sorriso dos mais diferentes
De gente que mente, sente e mente.
Sorrisos inconvenientes, de hora marcada
Sorrisos condizentes, sorrisos que dizem nada.
Cercado eu estou de tantos sorrisos
Pra toda e qualquer direção.
Não são o que dizem, nem o que tentam dizer
São flexíveis a toda situação

R.S Rosa

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 07:55

0

Refeito de algum feito mal feito
Me proíbo de sentir novamente
Moro a sós em meus defeitos
Neles, vivo displicente
Não há nada de novo
Tudo é como sempre foi
Moro a sós em meus defeitos
E para isso tudo não existe jeito
Sem jeito para alguém mal feito


R.S Rosa

Meu próprio universo

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 13:37

0

Não quero meu próprio universo
Nem minhas próprias palavras
Não quero mais pensar em centenas de versos
E somente sentir das palavras amargas
Não quero mais me importar com o que penso
Nem mais me enganar com algum sentimento
Não quero sonhar com seus sonhos mais belos
Nem quero deixar de viver ou sê-los
Não quero meu próprio universo.

O poeta da chuva

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 09:54

0

Havia uma gota de chuva
Haviam nuvens em volta
Pedaços de folhas secas
Em ruas desertas e soltas
O sol se escondia nas nuvens
Ou elas tapavam o sol?
O brilho do céu, ofuscado
Sem volta, uma manhã sem sol
Um homem pescando ao mar
Sozinho em seu barco a vagar
Alguém pela rua andando
Num dia nublado, chorando
Outro sentado à espera
De um futuro pra vida
Outros gritam socorro
Vivendo uma vida sem saída
Outros escrevem poemas
Num dia nublado e chuvoso
Falam de todos os problemas
Daquilo que julgam perigoso.
Amam ou tentar amar
Aqueles poetas da chuva
Falam de outros e de si
Mas por fim, vivem sozinhos em vida
E a chuva não passa...


R.S Rosa

futuro nosso

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:44

1

Passado o nosso futuro
Partimos de um porto seguro
Navegamos no mar dessa vida
Fomos lembrando nossa partida
Com os ventos ao mar
Protegemos o barco
Protegemos as malas
Esquecemos a vida
Esquecemos o mar.
E voltamos ao cais,
Não havia tempestade mais, era noite, era escuro
Não nos enxergamos mais,
Tampouco vivemos seguro:
É passado o nosso futuro

R.S. Rosa

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:43

0

Nasci para a vida
Cresci em meu mundo
Segundo a segundo, nasci para a vida
Nasci para mim
Escolhi sorrir, viver, sentir
Sem ti, aprendi.
Nasci para todos
Vivi para todos...
Vivo em meus próprios caminhos
Sem ti, não me siga
Hoje eu nasci para vida

R.S. Rosa

O menino...

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:18

0

Já dizia o menino que amava
Por onde quer que andava
Já dizia o menino que andava
para quem quer , que amava

E dizia que amava uma flor
Ou do jardim inteiro, dizia
E a flor do menino que amava
Por ele amizade sentia

Por um dia

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 12:38

1

Ela me olhou nos olhos
E não foi em meu sonho
Estávamos muito próximos, mas distantes em tudo.
A voz delicada e suave, o sorriso frágil e forte
Encantaram-me a vida naquele momento meu, de sorte.
Não me importaria fragilidades, nem tropeços a atravessar...
Se me fosse permitido mais uma vez sua beleza admirar


R.S Rosa

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 11:55

0

Meu peito dói. Não sinto meu corpo.
Estou em meu inverno, congelando os meus sentidos
Tal como uma árvore, sem beleza, nem vida
Morro por dentro de mim. Estou sozinho
Na fraqueza do desfalecer, desencontro da paz
O extinto de sobreviver, no ensejo de não ver.
Vou duma vez. Uma vez, para sempre.
Sem meus sentidos, não sinto
Saudades de mim.
Despido de tudo, e nada do que foi.
Serei para sempre o nada que um dia eu fui.
Sem aviso, algum dia irei,
Cantando, em um dia que sempre esperei.


R.S Rosa

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 11:14

1


Eu pedi uma solução, mas não ouvi resposta
Fui ignorado. O que faço agora?
Eu não sinto mais nada, apenas o fracasso de tentar
Pedi esconderijo, mas continuo sem abrigo
Não tenho onde descansar
Não sei para onde caminhar
Não sei em quem confiar
Não sei por que continuar.

Injusta guerra

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 10:40

1

Eis que me achei em guerra.
Luta injusta; Luto uma guerra contra a mim mesmo.
Tantas batalhas, tanta dor,sofrimento... Sou tão fraco, e esperam de mim tanta força...
Verme culpado e sem ajuda, incapaz de governar, em divinos braços gentis me entrego. Toma-me, oh DEUS.
Dá-me asas como de teus anjos, para que eu possa voar até onde tu estás. E cessará o som dos tambores, que retumbam dentro do meu peito.
Findará os rumores de guerra que assolam de agruras minha alma...
E as trombetas emudecerão: a GUERRA TERÁ FIM.


J.N.G

Nosso resumido

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 15:24

3

Todos nós procuramos por alguém
Para ver, para ser, dialogar, ou para amar
E quando não encontramos, achamos que não amamos
Forjamos diálogos em nossa alma, ansiosos por manter a calma
Terminamos num monólogo solitário de nossa consciência imaginária
Então, cultivamos nossa inexperiência como resposta
Para a nossa existência, a qual damos as costas, perdemos a paciência
Deixamos a procura de lado, murmuramos ao acaso
Não vemos, não falamos, nem amamos.
E em nosso monólogo diário afundamos.

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 14:44

0

Eu tento me organizar, mas dentro de mim
Não sei o que há de errado, ou coisa assim
Estou completo e incompleto, num mesmo sentido
Num mesmo lugar, num mesmo olhar

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 14:27

1

Se você está sozinho
Se você grita para o acaso, em circunstâncias corriqueiras
Corre para o lado iluminado, mas não enxerga
Se você...

Se sua voz tornou-se passiva...
Fez-se calada. Fez-se inexpressiva.
Fora perdido seu passado mais que perfeito
Se você está sozinho...

Se para você o acaso grita, Mas se você está sozinho
Você não enxerga se você corre, para o lado iluminado
Se você fosse perdido imperfeito em seu passado
Torna-se passiva a sua voz, sê você.

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 18:25

0

Os olhos não mentem tampouco o coração engana.
Mas é dito enganoso, o do homem, como a visão turva lhe pode ser.
De fato, inegáveis são os fatos desse parecer.
Mas não me foi dado por agora o ensejo de entender o que tiver de ser.

Por engano ou não, meu coração é acelerado por ti.
Cego ou não, sei que lhe enxergo por qualquer luz ou escuridão.
Não venho por imediato deixar a par do que sinto
Porque lhe sinto tão terno desde seu primeiro respirar, comigo.

Onde foi?

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 11:27

1

E tudo aquilo que foi?
Para onde foi aquilo que um dia foi?
Os caminhos estavam tão claros, mas não enxerguei
Aquilo que foi embora, onde está... Não sei
Para onde foi de um tudo, embora.
Me calei para que falasse, cai para que levantasse
Chorei para que sorrisse, ouvindo tudo o que disse
Eu me tornei o que sou. E para onde é que vou?

dashuri

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 11:24

0

Ele constrói, me faz, aumenta, me sustenta
Meu futuro, seguro, a estima, no escuro
Sente, ele mente, melhora ou piora
Traz, me desfaz no que fez
Não sei dar um nome, não sei de onde vem
Não sei onde foi, aonde vai, nem pra quem
Continua comigo, vai e vem
Continua comigo, se transforma em castigo
Mas castigo a mim mesmo, pelo bem que me traz
Pelo desejo que me inunda de paz
Pela paz que desejo, que vivo atrás
Pelo amor que lhe sinto, que hoje me satisfaz

Invento

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 14:10

2

Versionei aquela situação que vivi
Apaixonado, não vivo dela, senti
No mais alto lugar onde fico, eu vivo
Esperando que viva pra mim
Eu também me acostumei
A inventar, a desmistificar, a palavrear
E se não consigo me expressar com o que existe, faço existir
Não contenho minha ânsia, mantenho-me a sentir

choro

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 09:37

0

Quando choro, meu direito torna-se errado
Errado que é dado, lamento pelos lamentos da vida
Torno-me lagrimas que vão, que voltam... num caminho só de ida
Sou o errado do meu lamento, do meu choro
E como música, ecoa , soa aos cantos do meu ego
O eterno do meu direito que agora é errado, passa
Penso na vida que vivi errada, e nela acho graça
Graças ao meu senso de humor que estava errado, endireito meu choro
Agora choro que não posso me consolar, nem a mim mesmo suportar
No meu caminho de mão única eu paro, observo e me atrapalho
Sou o certo e o errado, do choro que agora deixo de lado

O segredo de me entender

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 09:15

0

Mas é claro, meu amigo
Preciso ser mais claro do que isso?
Não sei como dizer, para me fazer entender
Não está claro o suficiente, não é inteligente, você?
Meu amigo você, não diga que não sabe, não minta
Não diga, e não te cales, apenas sinta
Não se perca em minhas palavras, meu caro, as faça entender
Não diga que se confunde, nem que sou falho ao escrever
Lhe digo o que não deves fazer ao ler,
Aquilo que escrevo, que canto, e que pretendo dizer
Então entenda, cada verso, se quiser
Lhe digo um segredo, mas não conte para si mesmo
O segredo de me entender

Não, desejo

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:54

1

Não desejo mais
Foi-se embora para sempre o infortúnio, que me traz
O cansaço da verdade, que reluta por minha paz
Foi-se embora de mim o desejo, foi sim embora para sempre, mas
Deixou no caminho as feridas que ele fez
Tornou-me para sempre marcas de uma estupidez, sei
Que foi pra tolos uma linda sensatez,
Não me espanto, canto, pois sou livre outra vez
À verdade falha, eu me livro pra tornar
A vida mais alegre, ou mentir pra contornar
Todas as verdades que me querem perseguir
Não desejo mais, continuar viver aqui
Nesse desejo mais que desejo, vou mentir
Vou sorrir

Passo

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:54

0

Passos me seguem a cada passo que dou
Me perseguem a vida, os planos que sou
Dão voltas no passado, e no futuro que vai
Acontecem, pois são passos que me deixam para traz

E trazem os passos, pegadas em si
Lamento os fatos dos passos que vi
Ao passo que tento fingir que esqueci
O passo persegue, persegue a mim.

Casa mal fabricada...

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 20:23

1

Feche seus armários, ninguém espera por você
No escuro do seu quarto, deitado, calado
Uma desculpa vã, não há amanhã pra eu chegar
Nem sorriso, nem abrigo, nem perigo



Paráfrase música Casa pré-fabricada de Marcelo Camelo

Un grave daño

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 18:47

1

Con permiso
Te digo que no éres todo lo que pido
Tu éres bueno que vive em mi ser
Pero no éres todo lo que me gusta tener

Quiero te por todo tiempo de mi vida
Hasta el fin de mi corrida
Hablo te un ‘yo ti amo’
Pero así, casi me causa grave daño

The star's scars...

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 18:30

1

Without the truth , that truth
But in the dream's through
Move yourself from here
Looking for the best of she
In the brightness of star, an unbelievable reality
In the brightness of scar, a believable pain and sensibility
Just look unto someone and feel something
Just show the star’s scar and feel everything
With these truths, you’ll fly away
This flight that should you do today:
Move yourself from here
Just show the star’s scar, and feel the eternity

o meu soneto de eternidade

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 06:52

0

Onde foi que tropecei? Digo sinceramente, eu não sei!
Não sei, não notei, onde foi que errei?
Quero recomeçar, olhar para os lados sem medo de novamente tropeçar!
Quero me desmanchar de mim, e me inundar...

Eu vejo a folha caída, e uma vontade
Eu sinto o vento movendo, eu sinto saudade
Eu tenho uma escolha já feita, escolhida por alguém à parte
Me sinto num barco a deriva, à eternidade

Não tenho pecados demais, são todos comuns e normais
Não sinto pressa pra nada, ao caminhar por essa estrada
Estrada que leva pra vida, a vida eterna, partida
Estrada que eu não conheço, estrada em que eu pereço

E quando finalmente eu...

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:21

0

E quando finalmente eu...decidir por terminar?
E quando finalmente eu...abandonar todos os conceitos ideológico, ilógicos?
E quando finalmente eu...destroçar o que me resta de alma, e joga-la na descarga de um sanitário?
E quando finalmente eu...enxergar toda solidão que acompanha, num passo à passo diário?
Ou melhor escolher quem amar, e tomar conta do meu coração?
E quando finalmente eu... Apodrecer por dentro pela culpa, pelo pecado sem perdão?
E quando finalmente eu deixar de ser eu, para sempre. Quem saberá?

O desaforo

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:54

0

Eu mato! De formas cruéis os meus erros imbecis e evitáveis. Quanta falta de atenção! Quantas escolhas perdidas! Quanto tempo de sobra pra escrever desaforos em um blog! Ok, acabou! E assim continuemos com o blog...

me confundes, carnival!

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:35

0

Você mistura o lado bom e o lado mau.
Você me tira da solidão, confunde a minha sensatez,
Deixa o juízo de lado... Vivo pela sua linda estupidez
Você traz consigo a sua verdade e a sua mentira,
Mas você mente para mim com a minha verdade
Eu digo que está tarde, mas o seu começo é à partir do meu final
e ao final do desencontro de divergências, minha conduto vira carnaval

ele faz

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:23

0

Eu digo, eu mesmo digo: faz-se a face que queres ver.
Espanto o sorriso que refletiria a triteza. Mas e a proza?
Da sua viagem só de ida me esqueci de dizer. Há duma proza saudosa
Mas retornando, cabe a nós mesmos fazermos nossa própria face frente ao espelho
É nossa e de ninguém mais. Finja amor, finja compaixão, finja paz. Seja humano.
Faz-se a face dos seus retalhos. Retalhe seus tecidos mais perfeito. Faz-se a face à partir...

começa

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 07:08

0

O jogo começa quando menos percebmos
Corremos, andamos, engatinhamos, E a ordem é exatamente essa
A procura do futuro presente, jonada depressa
Mas a lenta tentativa de proceder as conformidades de ser ou não, cansa
Cansado , não espero, paro. Parei, cansei, cresci, engatinhei, senti, amei, chorei, tentei, morri.

Prometido

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 09:48

0

O cansaço me domina pela manhã
Os sonhos me são pesados
Todo meu esforço é vão
Minha fé abalável
Meus olhos me crucificam
O meu coração me engana
Todos os medos que ficam em mim
Me dominam
Destino escrito por alguém
Ninguém que se importe comigo, eu sei
Mas caio no ciclo da dúvida:
Qual a razão de tudo isso ser...
Não há respostas, nem conclusões
Há somente um vazio, Há somente o silêncio
Condenado a minha liberdade
Os instintos que me fazem à parte
Passam despercebidos, desiludidos
Passam pelos anos, para um futuro
Prometido

get out...

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 17:00

0

Retornar ao ponto de partida, sem ao menos sair dele, é sinônimo de uma vida bem vivida!
Dar o primeiro passo, durante uma extensa e fatídica caminhada, reserva no ato a não saída da vida.
Sem os demorados rodeios, volto-me para mim mesmo, penso no momento do sonho: o beijo.
Triste, claro, você ainda não me existe, e deixado de lado, encontro a mim mesmo, sentado , em meu quarto.
Idealizo-lhe em formas perfeitas, para mim feitas. E quando fica pronta, esqueço-me que não existe, tornando-me outra vez triste.
Nas frases longas ou curtas, sua voz ecoa a cada ponto, a cada vírgula, numa verdadeira luta entre meu ego paradoxal, e a auto-suficiência que a alguns insulta.
Ok, não me demoro mais. Deixo para trás minha personalidade, minha vontade, o meu, o meu seu. Não voltarei atrás, prometo! E, mesmo não existindo, desejo-lhe tudo de mais sonhado! E que deixe de ser meu pecado...

Presos

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 12:37

0

Andando pela rua sem dinheiro, vivendo uma vida sem futuro
Olhares, sons, ao passo, cada cheiro, a segurança viva do inseguro
Pessoas que eu nunca vou conhecer, conversam, falam gritam, sem saber
Negligenciando um ao outro, em busca de algo pra comer
Filiados a ideologias, de uma emancipação deliberada
Cegos pela vida de rotinas, cercados de uma vida cheia de nada
Diferentes e iguais, tanto faz, formados por um ciclo vicioso
Seres condizentes com a mentira, infectando assim o mundo todo
Guardados numa caixa bem secreta, selados por um segredo precioso
Submissos a uma sociedade que à verdade dizem mentiroso
Dão de cara com o espelho, a aparência, e vêem a si mesmos, nada mais
Notam que as suas diferenças, os tornam todos iguais
Milênios por milênios, dia a dia, dias tristes de uma nostalgia
Dias que procura e não se acha, guiados por idéias em si, sombrias
E dessas pessoas, não se sabe, o futuro o presente, nem o passado
Sabe-se que vivem suas vidas, procuram por alguém que fique ao lado
Tornam-se comuns em suas reclusões, dentro de suas próprias prisões
Num universo todo turbulento, recheado de más intenções
Escravos de sua própria sapiência, procuram repostas para o sofrimento
Pessoas que não falam, que não ouvem, que caminham contra o vento
Rastejam , choram, gritam por socorro, caem e morrem, sofrem seu próprio tormento
E assim na particularidade deu seus mundos, vêem a vida passando junto ao tempo

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 12:13

0

Foi hoje

Dependia somente do tempo
Dependia do calor que sentia, da boa vontade do vento
Do suor que descia pelo rosto, do barulho que o carro fazia
Dependia da fé que sentia; que existe e não existia

Tornei-me agora, independe do tempo, mas de mim mesmo
Distanciei-me de alguns, aproximei-me de outros, os tais desejos
Agora, torno-me único em minha caminhada a bradar por qualquer lugar que passar
Sou eu, eu mesmo e minha falta de sorte, aparentemente forte, por novos horizontes a desbravar

Ainda pelos meus horizontes eu passo
Na independência do tempo e do espaço, acordo do sonho
Agora, vivo o sonho acordado, sem me lembrar que era com tal que havia sonhado
E olho para frente, sem esquecer-me de olhar para o lado

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 07:31

2

Escrevo-lhe por saudades

Sei que não posso sequer chamar-lhe novamente
Mas contento-me em esperar para estar contigo eternamente
Lá onde você alcançou, onde descansou
Lá onde eu sei que já estas a contemplar aquilo que nunca poderíamos imaginar

Nós aprendemos muito, pai.
Aprendemos a não nos virar, aprendemos a nos acostumar com a solidão de não te ver chegar
Aprendemos a não entender a Deus, nem os planos que são Seus
Desaprendemos a te ouvir falar, e falar, e falar...

Chegamos onde não queremos chegar. Vivemos por aprender e tentar novamente ser
Somos dois agora, em dois mundos diferentes e divididos. Somos Dois lados distintos.
Não somos aquilo que sonhamos um dia ser, pai. Somos conseqüência do que vai acontecer
Deixamos nos levar do nada, sem você, deixamos de deixar de viver.

Sei que falo para mim mesmo, no mesmo ensejo de que a ti seja permitido ler
Mas é impossível entender que não posso mais te ver, nem conversar com você.
Novamente digo que me contento em te escrever, sei que para mim o mesmo você iria fazer...

Ela

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 07:18

1



Lembro-me dos afagos. Da voz rouquinha, e aguda
Lembro-me dos passos cuidadosos, do olhar que me cercava
Ah saudades. Há saudades. Foi-se embora você, alguém que me amava, você que ainda amo

E como as coisas mudaram de repente. Foi tudo tão rápido.
Em meus braços eu te socorria, enquanto teu coração batia de forma que não deveria
E por alguns minutos meu silêncio deixou de ser mudo, enquanto eu olhava-te

Sentimos nós o vento soprar, como a anunciar a partida
Fomos informados que sua viagem só de ida havia acontecido
Gritamos em silêncio, e silenciamos nosso grito de dor
Gritamos de saudades, gritamos de tristeza, gritamos por amor

E foi-se embora de nossas vidas não para sempre
Foi-se para uma eternidade eloqüente
Dado o adeus para um ‘em breve nos vemos’
Tornamo-nos mais uma vez, vítimas de quem nós perdemos


[bença, vó]

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 06:47

0

Tudo bem?

Não me leve a mal, tudo bem? Posso fazer perguntas sem respostas, viver com ou sem..
Não me leve em seus pensamentos. Por que sou pesado de se carregar, a ponto de nem mesmo eu poder me suportar
Sou escravo da minha liberdade, e inexpressão da minha expressividade
Então, não queria nada de mim, não me queria por verdade

Não que mentiras me façam o eu. Não que ilusões me tomem meus céus
Significo tudo para o nada que não existe na realidade. Sou único no que digo, igual a toda realidade
Não me leve a mal por não me entender. Sou igual e diferente, maior e menor, sou o mesmo que você
Sou o surdo que ouve, o mudo que canta, o cego que vê.
Sou o músico desafinado, o palhaço mal humorado, sou como você não pode ser.

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 06:35

0

Me acostumei a trilhar por esses caminhos
Dão para lugar nenhum, vão para nenhum lugar
Caminhos que me obrigam a trilhar, e a procurar o lugar nenhum
O lugar que procuro, no escuro, mas não há nem um lugar

Confesso que estou perdido, lendo Dom Casmurro, mas à procura de outro livro
Há uma falta que eu encontrei enquanto ainda perdido, em palavras rebuscadas e expressões do meu amigo
Assis é o nome, perdido no tempo, lembrado por muitos, palavras ao vento
Vento que me tira o calor, me consome sem dor, e me desvirtua de nenhum lugar

Volto a procurar a mim mesmo em um lugar
Nenhum destes me faz encontrar. Fui o que disse que sou, tentei o que não consigo que sei
Segui lendo o livro, outrora perdido, num caminho que nunca andei

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 14:43

2

Notei que sinto falta de mais alguma coisa. Aquela sensação continua
Cotinua a pulsar dentro do peito, a esboçar por fora um sorriso
Continuo a pedir o teu beijo , a querer estar contigo, em tempo e fora de tempo

Sinto a extensão de querer lhe tocar, sinto meu coração palpitar
Vejo no espelhos os meus olhos sem rumo de um olhar, vejo as minhas mãos vazias sem as suas a segurar
Sinto falta do teu beijo, do desejo de desejar
Algo tão simples e puro, tão inocente e inseguro, Sinto falta de te beijar

No toque dos lábios, no toque das mãos
No toque da alma, na mista sensação, de estar com você, de me apaixonar
O poetizar do beijo, do meu desejo, meu desejo de amar

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 07:32

2

Hoje estive feliz. Por um momento algo aconteceu, algo mudou
Por instantes não me importei com o que sou, nem com o futuro pra onde vou
Hoje eu sorri, eu olhei para os lados procurando alguém, mas não vi
Mas o que me importa? eu sorri, e isso basta para mim

Vou tentar novamente faze-lo. E para isso eu vou forçar a barra
Vou forçar meus pensamentos, esquecer meus sentimentos, e forçar um sorriso no rosto
Mas pode falhar. Sempre falha ou não. Não vou morrer de desgosto.
Vou sorrir nem que seja para mim, vou fingir nem que seja um sorrir

Sorriam comigo. Vamos forçar uma foto. Sorrisos bonitos.
Vamos sorrir num momento, registra-lo para o site de relacionamento
Capturemos nossa felicidade, estampemos no rosto o gosto do riso, o gosto da idade
Somos jovens de espírito, sorriam então por isso, antes que sintam saudade

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 14:12

1

São inexatos dezessete degraus. De cima para baixo, eu olho, sentado no último ou no primeiro
As luzes estão apagadas, as vozes misturadas ao longe da vizinhança afora, o vento traz consigo o cheiro
No ar de um não para um pedido, de um negar do chamar, de não pensar em agradar
O cheiro que vem do nada, um cheiro de sopro um cheiro de ar

Sinto-me meio deslocado, sem nada pra fazer pensar escrever, ou falar
Sentado dentro de um quarto quadrado, azul, que é preto e branco, ou como eu enxergar
Viro-me de costas à janela e vejo as luzes do postes que brilham na escuridão
Não brilham, são falsos, se apagam quando por eles eu passo, passo a passo pelo chão

O chão de onde parte os degraus, que são dezessete no total, e me levam para o quarto azul
A cor já não importa tanto, nem o preto e o branco, isso não esta mais importando
Importa que eu conte degraus, passo a passo eu piso, por cima de pisos ali
Importa que suba na vida, que deixe a ferida que dói que deixe de sentir


q saco...

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 12:20

1

Como eu deveria te enxergar? Quais as formas, as maneiras as texturas
Quais as cores, os sabores, as delícias?
Como deveria eu, te ouvir? As músicas, as falas, a poesia, os risos, os gritos, os sussurros.
Diga-me o que fazer. Aproveite o momento de humildade, de saudade, de você

Isso não acontece sempre. Orgulho-me por não ter interesse
Não que nunca acontecesse, mas há raridade na ocasião em que falo com você
Ocasionalmente me tomo de mim mesmo, e me encho dos meus próprios meios
Deixa o medo, a indecisão, tomo coragem, dou um passo pra frente, mergulho na minha ilusão

Iludido da vida continuo a perguntar, as perguntas do primeiro verso que acabei de postar [RS]
Não enxergo, não degusto e não te ouço! Ensine-me, ajude-me, permita-me te encontrar

Cale-se

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 10:59

3

Quanto barulho tu fazes. Falas por muito tempo
Eu digo que sei, tento convencer, mas não me aguento
Não faça tanto barulho, me deixe pensar
Deixe-me caminhar no escuro, me deixe tropeçar

Não apronte o que devo fazer
Não quero receitas para viver, quero agir
Agir da forma que quiser, pra onde quiser, quero sentir
Não quero você, me deixe aqui! Siga para longe, longe de mim

E continuas falando! Quanta bobagem
Minhas mãos seguem o tato que sabem
Elas não enxergam igual a você, isso é justo?
Injusto é eu não te querer

Não lhe quero, então te cales.
Aquiete-se dentro de mim
Consciência maldita e inoportuna
Insisto, esqueça que existo, esqueça-te de mim

Engraçado?

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 04:58

6

Não é engraçado? Acordar todos os dias, no mesmo horário, esperando algo diferente acontecer
Não é engraçado? Sentar em frente à um computador vendo a vida e não viver?
Não é engraçado? Achar graça naquilo que não há, amar o que não há pra amar

Diga-me, não lhe é engraçado? Diga-me, pois estou aos risos
Passo horas do meu dia rindo disso tudo, desse tudo preenchido por nada
É hilário o nada em que me encontro com o passar dos dias, das semanas
Vamos. Dê gargalhadas da situação, diga que fica feliz por tanta coisa não acontecer

Você me parece tão sério. O que houve? Por que não responde?
Diga-me onde esta, diga pra que lado, diga onde
Vou correndo te buscar, pra rirmos juntos, pra podermos gargalhar
Fale-me, mostre-me, nobre sentimento, onde se esconde?

Não me importa a quantidade. Só apareça. Aos poucos me enquadro
Aos poucos me encaixo, Dona felicidade, caminho segundo os seus passos, prometo
Só não se esconda, vamos. Venha para mim, me ajude a sorrir, a gargalhar, e falar mais alto
Felicidade, eu prometo ser feliz, com você aqui comigo não temo mais o perigo, nem a solidão,
Felicidade, bem vinda ao meu coração

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 18:44

0

A noite começa, tudo escuresse o frio aparece
Frio comum nos textos incomuns, frio de alma, frio de coração
Nada como escrever para um blog mal assistido, onde uma minoria entenderia,
Nada como me manter acordado, numa noite fria, me sentindo afastado, numa casa vazia

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 15:25

1

Grito por dentro. Sussurro por fora
Isso me faz explodir em mágoas
Mergulho em águas escuras e não enxergo a direção
Eu não amo, e nunca amei

Não sei o que é isso, isso de amar
De sentir , de tocar, de chorar
Sei o que é chorar. Por que chorei, senti.
Mas foi diferente. Foi diferente senti-los

E nada sou se não alguém que não ama
Não existo para um alguém especial
Sigo um caminho de longe escuro,
Seguro-me em algum lugar, não de bem, mas de mal

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 14:59

0

Escrevo palavra por palavra. Conto as letras, desenho as frases
Sou cuidadoso, obviamente penso, lembro, e apaixono-me pelo que escrevi e pelo que senti
Mas não sei o que sinto agora. Despejei tudo sobre o papel, e me esvaziei
Vazio de mim, agora digo o que sei não sei
Meu coração chora. Mas não existem lágrimas. Existe um sopro gélido
Cortante, assombroso, e misterioso, sinto-me sem sentimentos.
Sou uma estátua que insisti em ser humana, em viver.

Mudo

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 14:18

5

Água gelada e azul, mas salgada, em volta das pedras que fazem barreiras
Vidas por todos os lados, e fundo de mares, acordam e dormem pra lados e ares
Homens por todos os lados se vendem se compram, não vivem, mas vivem a vida dos outros
Cansados da vida que outrora não vivem, cansados do sol, que castiga seus ombros
Ando de um lado pro outro, ao lado de outro que anda para um lado e pro outro, sem rumo algum
Rimos, cantamos, tostamos, tomamos um banho, nadamos, passamos a hora jogando conversa fora
Nada demais para ver, para acontecer, vemos o tempo passar, a noite chegar, o sol desaparecer
Entramos num carro qualquer, pode ser nosso carro, é nosso, sobra de outra vida, que me castiga
É carro é caro, e anda para um lado e pro outro levando e trazendo onde eu quero, e quando espero
Passo na rua e vejo alguém na calçada, jogado, sentado, fedendo a merda, fedendo a miséria
Fecho os vidros me calo, ou fecho os olhos e falo alguma coisa, falo qualquer coisa
Olho pra trás e vejo me distanciando das margens que vivem aquelas pessoas, jogadas ao tempo
Às margens da vida normal, que julgamos igual, a todo mundo que pensa num mundo, que pensa em rumo
Vejo o pobre coitado calado e mudo, contatando da vida cada segundo, a eternidade
Julgo ser um ladrão, um maldito bandido safado que vive de corrupção, maldito ladrão
Fecho o vidro do carro e continuo andando nas ruas da minha cidade, da sua cidade
Muitas pessoas iguais e diferentes caminham, dirigem, procuram uma vida, uma melhor saída
Um trânsito do inferno me pára, me faz esperar pela boa vontade que é má do começo até o final
À simetria de passos eu ando com carro quase parado, sem nenhum espaço
Lembro-me do cara que tava jogada na rua, calado parado, fingindo de morto, vivendo no esgoto
Lembro do luxo que tenho que vivo que finjo viver, que procuro em toda minha vida, que procuro ter
Coço a cabeça e fico decepcionado comigo, com mundo, com Deus, com tudo, que pode ser mudado
Calo-me de novo, e presto atenção no meu carro, meu carro, de herança, deixado largado, muito mal cuidado
Esqueço depois para sempre de tantos coitados que sujam as ruas com sua miséria, vivendo sem vida
Esqueço de ajudar, de falar, de lembrar, me esqueço de amar, me esqueço de tudo, me finjo de mudo.

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 15:33

0

Se os acordes de um violão falassem
E não apenas melodiassem sentimentos
Se a quietude que ecoa como um barulho alto se dissipasse
E mostrasse o espaço vazio e frio, que a ninguém pertence

Não suporto mais as falas diversas de como e onde, de quando
Os olhares que não olham, não enxergam, apenas ignoram
Fiquem distantes os famintos pela minha fraqueza
Afastem-se de mim, da minha prole, da minha tristeza

Não venham até mim com presentes, com falsos sorrisos
Não me venham com algo para aquecer o frio,
Nem digam palavras ensaiadas em outras situações
Não diga nada, não diga da vida, das ilusões

Fora. Afora da minha vida, caiam fora
Esqueçam que eu existo maldito, olhares e falas
Malditos sentimentos, maldito coração
Esqueça-me por completo, esqueça de toda essa situação

Enfim sozinho, sem vocês para preencherem com um vazio sem fim
Vivo agora a vida que não pedi pra mim, mas que talvez seja melhor enfim
Nada de solidão, de compaixão... Tudo em quietude

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 06:25

1

'Fortale-ce ,oh Deus
Abatido tenho andado
Grande aflição tenho passado

Eu confio em teu amor
Tuas mãos hão de suster me,
Oh Deus dos altos céus atende o meu clamor

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 11:53

0

viver você
eu morrer

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 16:55

0

Estou melhorando no que disse que sei
Pouco a pouco voltando, no que antes me dei
Dado a ponto de ver sem deixar de entender
Paralisado por saber aquilo que não sei ser

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 16:53

1

Gélido sentimento de paixão avassaladora
Desumana humanidade de humildade
Vista de um ponto alto, protegido pelas câmeras de TV
Apaixono-me por causas que outrora fingi não perceber

Talvez meus olhos se fechem em oração
Talvez abra meu coração, dizendo o que sinto ou que não
Talvez não faça nada, e estagnado finja não ter relação

Antes não existia nada pra mim
Não existiam necessidades, carências, não existia um sim
Talvez por pena haja uma mudança... Não acredito que haja

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 16:44

0

Permito-me dizer que tentei
Transformei o que era no que sou
Entendi o ininteligível, sabendo quando não sei
Dei passos para o lado, num encaixe perfeito de onde estou

Mas não estou onde era o lugar
Aquele que onde não pude me achar
A verdade é que há uma ilusão, certa divisão
Entre o lugar de encontro, a ponto de não encontrar

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 07:36

2

La do lado

É a tua luz que ilumina minha escuridão
é a tua mão que me da alivio em consolação

La do lado ao lado tropeço e caio sem ti
vezes machucado, ferido por dentro de mim

são tantos casos
distintos, costumes acostumados
são tantas forças, que levam, que arrastam pro outro lado

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 07:35

0

Mente

de volta a minha mente
minto quando digo oque sinto
sinto oque digo por você

mentes de volta à sua mente
diz o que por mim você sente

amigo, digo-lhe indecifraveis
as palavras ditas a mim
você as entende mas não vê
pra onde certo que deve ir

existem labirintos infindaveis
existem pedras para tropeçar
existem espinhos no caminho
um caminho que você deve achar

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 15:03

0

Num mundo diferente do mundo do lado de fora
Num canto ecoado da boca pra fora
Sirvo a semelhança dos mundos anexos a mim
Cuido dos sentidos, sentidos num mundo assim

Na medida do tato sinto o seu frio em mim
O frio que queima gelado, um frio sem fim
Eu corro pro alto a fim de enxergar o viver
No alto debaixo de tudo que pode ser

Invento palavras pra impressão eu causar
Eu fico ao lado, sem nunca notar
Compreendo os erros, eu digo o que sou e não sou
Eu falo sozinho ou acompanho alguém ao falar

Eu vivo na espera, espero, e vou esperar
Não vivo sozinho, tenho coisas a pensar
Problemas só meus ,que eu sei,vem me acompanhar
Sozinho ao teu lado, vivendo no lado de cá

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 15:52

0

simples e suficiente vivo
vivo e simplesmente sigo
distante dos rumos da vida errante
distante da vida ao rumo do teu amor

Sigo o caminhos da tua perfeição
trilho pelas pedras e espinhos no chão
subo as montanhas, e desbravo mares
Tudo isso para agradar o teu coração


Post. poeminhas bobos

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 10:30

0

Não me deixe
Deixado ao largo do sentimento
Não me deixe
Largado ao passo que não me sustento
Deixe que
Mudanças tais ocorram, e corram
Deixe que
Os sentimentos que não existem, morram


Ne me quitte pas...

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 09:37

1

É bem mais fácil olhar
Olhar para os lados, negar os fatos
É mais fácil desiludir-se de um sonho
Firmar-se na areia

É natural afogar-se em um mar
Qualquer mar, qualquer lugar
Qualquer vida é mais fácil

É mais fácil falar comigo mesmo
Sonhar os meus sonhos, viver os meus planos
Afogar-me no meu mar, sem nunca mais te encontrar
É mais fácil



muito mais...

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:58

0

Se as palavras já não me traduzem
E meu esboço do futuro não faz sentido
Sob o efeito daquilo que não devo
Vivo devendo a vida pra mim mesmo

Vida tudo que tinha
Vida a sua vida pela minha

Há certo caminho errado
Por ele ando para todo lado
Mas o certo caminho de cima
Pela sua vida foi, por mim, criado


[Vida]

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:47

0

Digo-lhe o que sinto.
Canto, ou toco um instrumento.
Escrevo, poetizando sonhos.
Romantizando versos, Estruturando textos.

Me apoio sobre meus próprios ombros.
Converso comigo mesmo.
Canto para o vazio do meu quarto.
Escrevo, para ocupar um espaço vácuo;

Calo-me para deixar que fales.
Falas por muito tempo.
Tempo que passa e que me leva calado
Calado para ouvir o vento.


[um verso, dois versos]

Posted by Ramon S Rosa | Posted in | Posted on 08:42

0

Como amar alguém
Nunca te vi, nem ouvi
Nunca nem menos vi como amar alguém
Alguém que me ama por me amar
Como amar se o próprio amor me ama
Ama me amar por eu amar o seu amor
Como num conto
Conto quanto eu amo os seus contos, sua vida
Sua história, sua memória não diga a vossa vida
Deixe contar, o conto de amar